2017 BRICS Summit Think Tank: Infraestrutura Ferroviária para o Desenvolvimento dos Países Emergentes

Rafael Vitale, Diretor do IOP e integrante da equipe do projeto Infraestrutura para Crescer, participou do Forum dos Países Emergentes realizado na cidade de Guanzhou, China, nos dias 04, 05 e 06 de novembro de 2016. Trata-se da quarta edição do evento patrocinado pela Sociedade Chinesa dos Países Emergentes, com a abordagem: “O desenvolvimento das Economias Emergentes por meio de Inovação, Fortalecimento, Interconexão e Inclusão.

A conferência internacional sobre a economia mundial e economias emergentes se desenvolveu em torno de cinco sessões com os seguintes temas:

  1. crescimento potencial por meio da inovação;
  2. construção de economias abertas por meio do fortalecimento;
  3. promoção de cooperação econômica e comercial por meio de interconexão;
  4. desenvolvimento mútuo por meio de inclusão; e
  5. economias emergentes e a governança econômica global.

O evento contou com o total de 180 participantes, dos quais apenas 30 eram estrangeiros (não chineses), seno todos acadêmicos, diplomatas e/ou representantes de industrias dos países do BRICS e de outras economias emergentes.

Rafael Vitale integrou a mesa redonda 2017 BRICS Summit Think Tank para a discussão dos temas que deverão ser considerados na próxima reunião da Cúpula dos BRICS em 2017. Houve unanimidade entre os participantes quanto à necessidade de maior sinergia e cooperação, não apenas entre os países do BRICS, mas também entre outras economias emergentes, para que os países em desenvolvimento consigam maior poder de decisão junto ao grupo das economias desenvolvidas (G7), Organização das Nações Unidas (ONU) e Organização Mundial do Comércio (WTO).

Na única seção desenvolvida na língua inglesa, Rafael Vitale ministrou apresentação sobre o projeto da Ferrovia Bi-Oceânica (The Twin Ocean Railway). Trata-se de projeto de infraestrutura ferroviária que pretende conectar os oceanos Atlântico e Pacífico, tornando-se em importante rota logística para o desenvolvimento do Brasil e da América do Sul.

2.jpg

Fruto de um acordo formalizado entre os governos de Brasil, China e Peru, o projeto ainda é apenas uma ideia que precisa ser amadurecida. Conforme destacou Rafael Vitale, o grandioso projeto da Ferrovia Bi-Oceânica é uma ideia que tem como base vários projetos ferroviários brasileiros menores, mas não menos importantes. Entretanto, aguardar a decisão de realizar o projeto de uma única vez é incoerente e ineficaz, pois possui uma matemática financeira complexa, principalmente por ser um projeto multinacional. Sendo assim, é indicado que os projetos menores sejam implantados individualmente, já que possuem diferentes níveis de maturação quanto ao desenvolvimento dos projetos de engenharia e ao licenciamento ambiental.

O debate foi gerado por meio de perguntas e respostas. Após a apresentação, ficou claro que a Ferrovia Bi-Oceânica é um projeto com valores convergentes ao proposto no forum (inovação, fortalecimento, interconexão e inclusão entre nações emergentes), por ser uma nova rota logística que facilitará as trocas comerciais entre os países da América do Sul e com potencial de fomentar a economia mundial. Isso porque o transporte ferroviário, mais eficiente que o rodoviário, possibilita a redução no custo com transporte das mercadorias que são exportadas, em especial para a Ásia, o centro econômico mundial do século XXI.

3B.png

Por outro lado, o debate também concluiu que a implementação do projeto em módulos é a alternativa mais viável, pois, ainda que a ferrovia não conecte os oceanos Atlântico e Pacífico em seus primeiros anos, sua operação parcial já oferecerá benefícios logísticos. O importante é manter o pensamento no objetivo final mas realizar movimentos pequenos e contantes, até que o projeto todo esteja em operação, frisou Rafael Vitale.

Para maiores informações sobre o Forum dos Países Emergentes, acesse: www.eecdf.org


img_9777-2Rafael Vitale
Diretor do IOP
Analista de Infraestrutura do Ministério do Planejamento
Mestrando em Transportes pela Beijing Jiaotong University, Pequim

Governança ColaborativaVenha fazer parte desta rede de profissionais que buscam inovar o setor de obras públicas. Junte-se a nós!

 

Anúncios